Início UMBANDA OS VÉUS DA DOR…

OS VÉUS DA DOR…

5 minuto(s) lendo
0
0
224

Oh! Senhor dos Mundos… Onde estás? Que não te ouço mais, desde aquele instante-luz – marco na eternidade de minha percepção consciente, dito como livre-arbítrio!

Instante maldito em que, usando de minha vontade, desci às terríveis regiões cósmicas da ignorância – do desconhecido!…

Onde estás?! Onde estás agora, Senhor?! Quando as chagas da dor, de sofrimento mil, vêm marcando como fogo esta minha alma, através de tantas e tantas encarnações e nesta se consubstanciaram na tremenda exigência desse testemunho de fogo.

Oh! Senhor das Vidas! Quão rígido é sentir-se os véus da dor abrir o íntimo da consciência e revelar em quadros retrospectivos a soma das ações contundentes, com as quais feri, da esquerda para a direita, a esses e aqueles!…

Oh! Senhor da Eternidade! Quão terrível é ver se rasgar os Véus da Dor, sentindo consciente interpenetrá-la, nas profundas razões – de causas e efeitos, geradoras dessas condições, já marcadas no ritmo da conseqüência…

Mas, oh! Senhor das Almas! Afirmo-te que conscientemente: mais dolorosa que essas dores foi a revelação que a mim veio… Passarão as noites e os séculos, aos milhões, na repetição que a mim veio… Passarão as noites e os séculos, aos milhões, na repetição incessante dos Ciclos e, entretanto, a libertação final se encontra tão longe ainda, quanto a distância-luz que me falta para ascender, através das galáxias, à Linha de Evolução Original – aquela de onde vim…

E é por isso, Senhor, que sofro a desesperação de um saber, preso às células orgânicas que desgastei, no entrechoque das lutas e das emoções!…

Sim, sim Senhor das Vidas! Porque estas células sensíveis conservam, no íntimo de sua natureza, a marca dos “espinhos” que rasgaram os véus da minha vontade, dos meus desejos, desnudando-me a alma para a vertigem das encarnações…

Sim! Ainda conservo a lembrança de meu primeiro pranto consciente, porque vi, impressas nas lágrimas derramadas, as sendas que havia construído no passado…

Elas, Senhor, se uniam como linhas, no final, formando um caminho e nele eu “me via frente a frente com meu ponto-crucial.”

Mas, oh! Senhor das Consciências! Quantas vezes – TU bem o sabes – consegui afastá-lo, pelas mil artimanhas de meu espírito… e, no entanto, ontem senti uma imperiosa necessidade de enfrenta-lo e hoje, ele – esse ponto crucial, rasga mais um véu, o da grande dor, no testemunho consciente da prova que aceitei e deu nesta vida…

Agora, oh! Senhor da Suprema Lei, que parece tudo haver passado como um furacão, me ajuda a esquecer – porque, perdoar eu já o fiz – as dolorosas impressões que ainda estão aferradas em minha alma, de tantas e tantas traições, de tantas e tantas punhaladas e de tantas e tantas incompreensões…

Retirado do Livro: LIÇÕES DE UMBANDA E QUIMBANDA NA PALAVRA DE UM “PRETO-VELHO” – W.W. DA MATTA E SILVA (Mestre Yapacany)

  • MENSAGEM: A PUREZA DE CADA UM

    Uma Mensagem para você É sabido que todos nós nascemos puros, e daí vem o encanto que todo…
  • A ESPÚRIA DA INVEJA

    O sentimento de inveja pode ser definido como um sentimento de tristeza perante o que o ou…
  • SINTONIA

    O mundo fervilha lá fora, e o tumulto reverbera entre as batidas do coração. O homem se ac…
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Administrador
Carregar mais em UMBANDA

Deixe uma resposta

Verifique também

SALVE AS CRIANÇAS DA UMBANDA!!!

Nas praias, nas matas, nas montanhas, atravessando o ar, muitas risadas e palmas invisívei…