Início UMBANDA Todas as crenças do mundo

Todas as crenças do mundo

37 minuto(s) lendo
2
0
167

O universo das religiões é vasto e complexo. Você saberá, nesta reportagem, como e quando vários dos credos, que existem até hoje, surgiram e em que princípios se baseiam

Por Lia Hama

Não se sabe exatamente quando os homens começaram a acreditar em um ser superior, já que a elaboração de uma crença espiritual remete a períodos muito remotos, dos quais não há registros. Mas, pelos vestígios arqueológicos que sobreviveram ao tempo, pesquisadores descobriram que a partir do período neolítico, há dezenas de milhares de anos, o homem passou a adotar rituais que apontam para uma crença no sobrenatural. “O costume de enterrar os mortos é provavelmente a indicação da mais rudimentar prática religiosa. A maneira com que os corpos foram encontrados e as posições em que estavam dispostos sinalizam que não se tratava de cobri-los com terra de forma aleatória”, afirma o teólogo Afonso Maria Soares, da PUC de São Paulo. “Os rituais mortuários estão no berço daquilo que modernamente chamamos de religião.” Os vestígios arqueológicos mostram que os corpos eram sepultados junto a ornamentos, armas e comida, revelando que nossos antepassados não encaravam a morte como o fim definitivo e que acreditavam que seus mortos precisavam de ajuda para fazer sua travessia deste para um outro mundo.

É possível que anteriormente já houvesse algum tipo de prática “religiosa” mais primitiva. No entanto, apenas por dedução pode-se imaginá-la. “É difícil conceber um momento ‘x’ em que tenha surgido algo semelhante à religião. Ela vem junto com a emergência da consciência, da auto-reflexão que brota da experiência do limite, da dor, do medo instintivo de morrer”, conta Afonso. Sistemas de crenças religiosas só se encontram claramente enunciados a partir dos textos das pirâmides no Antigo Egito, por volta de

4 000 a.C. “Somente com o surgimento da escrita é que os historiadores podem observar, estudar e tentar entender sistemas que estruturam pensamentos, cultos, mitologias e cosmologias elaborados pelas sociedades antigas. Existem vestígios, anteriores ao surgimento da escrita, que só permitem suposições”, diz a historiadora Eliane Moura da Silva, da Universidade Estadual de Campinas.

Boa parte das principais religiões que conhecemos hoje começou a ser formada na chamada Era Axial, entre os séculos 9 e 2 a.C. Segundo o filósofo alemão Karl Jaspers, foi quando o homem passou a prestar atenção em si mesmo e em seus limites. Nesse período, simultaneamente em vários pontos do planeta, o ser humano foi dedicando mais tempo à contemplação. “A partir daí, começaram a aparecer os fundadores de boa parte das religiões atuais”, conta o sociólogo Antônio Flávio Pierucci, da USP. Na China, entre os séculos 6 e 5 a.C., Confúcio e Lao-Tse fundam novos sistemas de pensamento e crença a partir de antigas tradições orais. Na mesma época, na Índia, o príncipe Sidarta Gautama dá início a uma série de ensinamentos que vão originar o Budismo, uma religião formada a partir do Hinduísmo. Na região da antiga Palestina, começa a era dos grandes profetas do Judaísmo. Na Pérsia, o monoteísmo proposto por Zoroastro expande-se e chega a outras regiões.

Segundo o teólogo Fernando Altemeyer, da PUC de São Paulo, há pelo menos três explicações para a origem da religião. A primeira afirma que o sentimento religioso é inato. Assim como os seres humanos têm necessidade de comer e de exercer sua sexualidade, ele teria necessidade de buscar o transcendente. A segunda vê a religião como um produto social. Ela é criada como uma espécie de tampão para o homem lidar com a morte, o sofrimento e os momentos de crise. Uma terceira explicação, que parte das próprias religiões, aponta para o contato com algo superior – como o profeta Muhammad, do Islã, ao receber uma revelação de Allah por intermédio do anjo Gabriel, ou Buda, ao atingir a iluminação.

Alguns sistemas religiosos desapareceram ao longo do tempo. Foi o caso das antigas religiões da Grécia, de Roma e do Egito. Isso ocorre muitas vezes porque elas não se adaptam aos novos contextos sociais. “As sociedades não são estáticas e, por isso, as religiões têm de estar em constante transformação. Do contrário, elas morrem”, afirma Fernando. Algumas crenças podem sobreviver dentro de novas religiões – é o caso do Cristianismo, que recebeu influências dos cultos grego, romano, nórdico e céltico. Outras são resgatadas com novos nomes, como o neopaganismo, que retoma antigas tradições pagãs de culto à natureza.

É comum que disputas de poder, divergências quanto à estrutura hierárquica ou o surgimento de novas lideranças provoquem divisões dentro de uma mesma religião. Isso ocorreu com o Cristianismo, que gerou inúmeros ramos a partir de um tronco comum. A primeira grande cisão ocorreu no século 9, quando a cristandade se partiu em duas, tendo, de um lado, a Igreja Católica Romana, e, de outro, a Igreja Ortodoxa. No século 16, uma segunda cisão veio à tona com o Protestantismo, movimento liderado pelo frade alemão Martinho Lutero. Os protestantes, por sua vez, também se dividiram. A livre interpretação da Bíblia favoreceu o aparecimento de grupos divergentes. Na mescla com outras crenças, no período de expansão, também surgem ramificações, como as três grandes correntes do Budismo: Theravada, remanescente do original, Mahayana, resultado do cruzamento com tradições da Ásia, e Vajrayana, fruto da mistura com o Tantrismo.

Nas páginas a seguir, você conhecerá as grandes tradições religiosas que existem atualmente. Há ainda outras, menos representativas, mas não menos importantes, que não entraram nesta reportagem. Em comum, todas partilham da mesma necessidade ancestral do homem de encontrar explicações para sua existência.

Pinturas reveladoras

As cavernas são tidas como os primeiros altares da humanidade. As imagens pintadas sobre suas paredes podem ser indícios de comportamentos supostamente religiosos. Uma das mais conhecidas é a de Lascaux, na França, onde foram encontradas pinturas rupestres de 20 mil anos atrás. Com figuras de animais em cores vivas e formas expressivas, a gruta recebeu o apelido de “Capela Sistina da Idade da Pedra”, em referência à obra-prima do pintor renascentista Michelangelo.

Magia religiosa

Uma das práticas religiosas mais antigas e que persiste até hoje é o Xamanismo, que pode ser encontrado na Ásia, na Oceania e em sociedades indígenas das Américas. Os xamãs são tidos como capazes de realizar contatos com outros mundos espirituais. Sua função principal é realizar a cura de doenças, vistas como resultado da perda da alma, que teria sido aprisionada em outros planos do universo. Para libertá-la e curar o enfermo, o xamã realiza uma série de rituais mágicos.

Inspiração espiritual

O Zoroastrismo é uma das religiões que mais tiveram influência na formação de outras crenças na região do Oriente Médio. Surgida na Pérsia, atual Irã, provavelmente no século 12 a.C., a religião fundada por Zaratustra – ou Zoroastro, como ficou conhecido no Ocidente – delineou o conceito de Deus único, de livre-arbítrio e de dualismo entre Bem e Mal. Apontou também para a existência de um Senhor das Trevas.

Fiéis numerosos

O Cristianismo é a tradição religiosa com o maior número de fiéis em todo o mundo: 2 bilhões de pessoas.

Em segundo lugar vem o Islamismo, a religião que mais cresce no planeta, com um total de 1,3 bilhão de seguidores. No Brasil, a religião cristã também é predominante: segundo o Censo de 2000, 73,8% dos brasileiros declararam-se católicos e 15,4%, evangélicos.

Crenças milenares

Várias das mais antigas religiões de que se tem notícia originaram-se no Extremo Oriente e na Índia, onde uma profusão de crenças convive pacificamente

Hinduísmo

– Onde surgiu: Índia

– Quando: por volta de 4500 a.C.

– Livro Sagrado: Vedas

– O que é: conjunto de religiões e movimentos culturais da Índia que se originaram no vale do rio Indo. Os hindus possuem milhões de deuses. Os principais, que formam a trimurti (a sagrada trindade), são Brahma (deus da criação), Vishnu (deus da preservação) e Shiva (deus da destruição e da recriação). A meta é alcançar o moksha, a libertação espiritual que encerra o eterno ciclo do nascer-e-morrer.

Sikhismo

– Onde surgiu: Índia

– Quando: século 15

– Livro Sagrado: Guru Granth Sahib

– O que é: religião fundada por Guru Nanak, numa época em que havia forte tensão entre hindus e muçulmanos no norte da Índia. A doutrina mistura características do Hinduísmo e do Islamismo. Os sikhs acreditam em um único Deus, chamado Sat Guru ou “Verdadeiro Mestre”, e crêem que o caminho para aproximar-se d’Ele é a devoção e a meditação.

Budismo

– Onde surgiu: Índia

– Quando: entre os séculos 6 e 5 a.C.

– Livro Sagrado: não tem

– O que é: doutrina baseada nos ensinamentos do príncipe Sidarta Gautama, o Buda. Para os budistas, a vida é sofrimento, cuja origem está no apego, ou seja, no esforço de encontrar algo permanente num mundo transitório. O caminho para cessar o sofrimento requer a consciência de que não existe um “eu” individual (pois tudo está interligado), concentrar-se em ações nobres e manter a mente tranqüila.

Jainismo

– Onde surgiu: Índia

– Quando: século 6 a.C.

– Livro Sagrado: Agamas

– O que é: crença de seguidores dos jinas ou tirthankaras, mestres que conduzem as almas para a liberdade espiritual. O mais famoso deles é Mahavira. Uma das leis do Jainismo é a ahimsa, o comprometimento com a não-violência, prática que se tornou conhecida em todo o mundo por ter sido adotada pelo líder indiano pacifista Mahatma Gandhi.

Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna

– Onde surgiu: Estados Unidos

– Quando: 1966

– Livro Sagrado: Baghavad-Gita

– O que é: religião que cultua Krishna, a Suprema Personalidade de Deus que se manifesta ao longo do tempo por meio de avatares, que são suas encarnações. É baseada nos ensinamentos de Sri Caitanya Mahaprabhu, mestre indiano que viveu no século 15.

Xintoísmo

– Onde surgiu: Japão

– Quando: não se sabe

– Livro Sagrado: não tem

– O que é: conjunto de crenças ancestrais japonesas, que, diferentemente de outras religiões, não tem fundador nem código moral. Afirma que, no princípio, um casal divino, Izanagui e Izanami, desceu do céu e gerou as ilhas japonesas e uma série de deuses, os kamis. O mais importante deles é Amaretsu, a deusa do Sol. Acredita-se que a linhagem imperial japonesa seja descendente dela.

Confucionismo

– Onde surgiu: China

– Quando: entre os séculos 6 e 5 a.C.

– Livro Sagrado: Analectos

– O que é: conjunto de pensamentos, regras e rituais desenvolvidos pelo filósofo Confúcio, cujas doutrinas prevaleceram na China até 1911, ano da queda do imperador, considerado o filho do Céu na Terra. Para ele, o homem devia buscar sempre a piedade filial, o respeito e a reverência e viver em harmonia.

Taoísmo

– Onde surgiu: China

– Quando: entre os séculos 6 e 5 a.C.

– Livro Sagrado: Tao Te Ching

– O que é: tradição baseada no livro Tao Te Ching, atribuído ao filósofo Lao-Tse. Para os taoístas, tudo emana de uma única fonte: o Tao, palavra que significa “caminho”. No plano filosófico, Tao pode ser interpretado como o Vazio ou o Absoluto. Para os taoístas, no mundo visível tudo é composto pelos elementos opostos Ying e Yang. A libertação plena da alma está no retorno do homem ao Absoluto.

Crenças Africanas

– Onde surgiram: África, especialmente no Golfo da Guiné e na região que engloba os países Angola, Gabão, Congo, Zaire e Moçambique

– Quando: 8000 a.C.

– Livro Sagrado: não têm

– O que são: manifestações religiosas primitivas baseadas na devoção aos orixás, divindades que fazem a ligação entre os mundos espiritual e terreno, em rituais mágicos e no culto aos ancestrais. Apóiam-se na crença no axé, a força vital que permeia toda a natureza.

– Ramificação: Candomblé, religião politeísta criada a partir de tradições africanas, em especial da região entre a Nigéria e o Benin, que chegaram ao Brasil com o tráfico negreiro no século 19. Também orienta-se pela fé nos orixás. Um dos pilares do Candomblé é o ritual dos búzios, realizado pelo pai ou pela mãe-de-santo. Festas dedicadas às divindades são comuns nos terreiros.

Judaísmo

– Onde surgiu: região da antiga Palestina, atual Israel

– Quando: por volta do século 17 a.C.

– Livro Sagrado: Tanach, dividido em Torá, Escrituras e Profetas

– O que é: os judeus acreditam ser descendentes do patriarca Abraão. Deus teria feito duas alianças com ele: a primeira, prometendo-lhe uma terra da qual jorrasse “leite e mel”; a segunda, garantindo que seria o pai de uma descendência numerosa, o povo de Israel. A Torá, que reúne os cinco primeiros livros da Tanach, contém os 613 mandamentos fundamentais da vida judaica.

Islamismo

– Onde surgiu: Arábia Saudita

– Quando: século 7

– Livro Sagrado: Corão

– O que é: religião baseada nos ensinamentos do profeta Muhammad, tido como mensageiro de Allah. Os muçulmanos acreditam que Abraão, Moisés e Jesus, entre outros, também foram profetas e receberam mensagens divinas. Muhammad, porém, foi o último deles e não será sucedido por nenhum outro. O Corão é a mensagem definitiva e tem primazia sobre todas as anteriores. Todo muçulmano deve colocar em prática os cinco pilares do Islamismo: fé, oração, caridade, jejum e peregrinação a Meca pelo menos uma vez na vida.

Três religiões, um só Deus

O Oriente Médio foi o berço das três maiores religiões monoteístas: o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo. Em comum, professam a fé num Deus único e identificam suas origens no patriarca Abraão

Cristianismo

– Onde surgiu: região da antiga Palestina, atual Israel

– Quando: século 1

– Livro Sagrado: Bíblia

– O que é: religião que tem como base a vida, os ensinamentos e, principalmente, a crucificação e a ressurreição de Jesus Cristo, considerado o filho de Deus, o próprio Messias. As raízes da religião remontam ao Judaísmo, mas ela é baseada em uma “nova aliança” em relação àquela firmada entre Deus e Abraão. Essa aliança teria se concretizado na figura de Jesus, cuja vida está registrada nos quatro evangelhos, livros que inauguram o chamado Novo Testamento.

1. Catolicismo

– Onde surgiu: Oriente Médio (hoje a sede fica no Vaticano)

– Quando: século 1

– O que é: igreja na qual o papa exerce a posição proeminente, como líder de todos os fiéis. Ele é considerado o sucessor do apóstolo Pedro, que foi o primeiro papa da Igreja. Os católicos crêem na Santíssima Trindade (Deus é Pai, Filho e Espírito Santo), na santidade e virgindade de Maria, mãe de Jesus, e nos santos.

2. Igreja Ortodoxa

– Onde surgiu: Constantinopla, atual Turquia

– Quando: século 11

– O que é: igreja que teve como origem o cisma de 1054 entre Oriente e Ocidente, decorrente das disputas de poder entre o papa de Roma e o patriarca de Constantinopla. Os ortodoxos, assim como os protestantes, não aceitam o papa como chefe universal da Igreja. Não usam estátuas, mas ícones, que são considerados janelas para Deus.

3. Protestantismo

– Onde surgiu: Alemanha, Inglaterra e França

– Quando: século 16

– O que é: movimento reformador iniciado em 1517 na Alemanha pelo monge Martinho Lutero, que contestava o papel mediador que a Igreja Católica exercia entre Deus e o fiel. O Protestantismo não aceita a autoridade papal, estimula a comunhão direta com o Divino para todos os indivíduos sem a intervenção de padres (cada homem é sacerdote de si mesmo) e libera a interpretação da Bíblia.

– Ramificações: luteranos, calvinistas, metodistas, anglicanos e batistas

3a. Evangélicos pentecostais

– Onde surgiu: Estados Unidos

– Quando: final do século 19 e início do 20

– O que é: igreja protestante que prega a contemporaneidade da atuação do Espírito Santo. Os pentecostais acreditam que Deus, por meio do Espírito Santo e em nome de Jesus, continua a agir da mesma forma que no Cristianismo primitivo, isto é, curando enfermos, expulsando demônios e realizando milagres.

– Ramificações (no Brasil): Assembléia de Deus, Congregação Cristã no Brasil, Evangelho Quadrangular e O Brasil para Cristo

3b. Evangélicos neopentecostais

– Onde surgiu: Brasil

– Quando: década de 70

– O que é: formação que conserva dos pentecostais o estilo de culto fortemente emocional, voltado para o êxtase, com destaque para o exorcismo, a cura e o milagre. Entretanto, prega o rompimento com os costumes rígidos e defende o direito à prosperidade, isto é, o de enriquecer materialmente e não apenas espiritualmente.

– Ramificações: Igreja Universal do Reino de Deus, Igreja Internacional da Graça de Deus, Sara Nossa Terra, Renascer em Cristo e Deus é Amor

Religiões cristãs do século 19

Não se originaram da Reforma Protestante

Espiritismo

– Onde surgiu: França

– O que é: religião que nasceu com Allan Kardec, o primeiro indivíduo a codificar a “doutrina dos espíritos”, segundo a qual todas as pessoas são espíritos e todos eles são imortais. Retornariam ao mundo físico sempre que necessário, em sucessivas encarnações, até tornarem-se puros como Jesus. Os espíritas também acreditam na possibilidade de comunicação entre mortos e vivos por meio de um médium.

Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

– Onde surgiu: Estados Unidos

– O que é: igreja fundada pelo norte-americano Joseph Smith. Segundo os mórmons, Smith teve uma revelação por meio de um anjo chamado Moroni. Ele teria sido convocado para desenterrar um livro escrito em placas de ouro, o Livro dos Mórmons, que conteria as escrituras sagradas de povos antigos das Américas, agraciados com a presença de Jesus Cristo após sua ressurreição.

Igreja Adventista do Sétimo Dia

– Onde surgiu: Estados Unidos

– O que é: igreja fundada pelo norte-americano William Miller, que dizia que Jesus Cristo voltaria à Terra em 1844. Apesar de a profecia não ter se realizado, os adventistas crêem que a volta de Cristo está próxima e que os mortos dormem, inconscientes, até o momento do Juízo Final e posterior ressurreição.

Testemunhas de Jeová

– Onde surgiu: Estados Unidos

– O que é: grupo religioso que surgiu a partir dos ensinamentos do norte-americano Charles Russel. Rejeita as noções de inferno e imortalidade da alma. O nome baseia-se em trecho bíblico no qual Jeová – o único nome verdadeiro de Deus, segundo Russel – pede aos fiéis que sejam suas testemunhas e preguem seus ensinamentos. Ficaram conhecidos pela recusa em prestar serviço militar e pela não-aceitação da transfusão de sangue.

Umbanda

– Onde surgiu: Brasil

– Quando: década de 1930

– O que é: religião que mistura influências africanas, indígenas, cristãs e espíritas. Acredita que o universo é povoado por entidades espirituais, os guias, que entram em contato com os homens por meio de um iniciado (médium). A tríade principal de guias da Umbanda é formada por pretos-velhos, caboclos e crianças. Alguns orixás orientam as entidades.

Livros:

Deus – Uma Breve História, de John Bowker. Editora Globo, 2002

Para Entender as Religiões , de John Bowker. Editora Ática, 2000

O Livro das Religiões, de Jostein Gaarder. Cia. das Letras, 2000

REVISTAS RELIGIÕES: Edição 12 Agosto/2004

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Administrador
  • ATOTÔ MEU PAI!!!

    Estou escrevendo com atraso, mas não posso deixar passar em branco a oportunidade de sauda…
  • Nossa Senhora da Glória, como também és conhecida….

    Na verdade é a Rainha de todos os mares, onde se iniciou há milhões de anos o cadinho de c…
  • FORÇA CIGANA

    Força Cigana do Astral, bendita falange de espíritos iluminados pela Sabedoria e Energia d…
Carregar mais em UMBANDA

2 Comentários

  1. eu quero saber os diferentes tipos de crença.

    1 de abril de 2008 en 15:41

    eu quero saber os diferentes tipos de crença,como surgiu atraves de qual conhecimento.

  2. gabriel martines almeida

    29 de abril de 2008 en 17:45

    duferente tipos de crença

Deixe uma resposta

Verifique também

ATOTÔ MEU PAI!!!

Estou escrevendo com atraso, mas não posso deixar passar em branco a oportunidade de sauda…