Início UMBANDA Libertação é a Mensagem da Luz do Congo!

Libertação é a Mensagem da Luz do Congo!

3 minuto(s) lendo
0
0
134

No terreiro o cheiro da mistura de alecrim, benjoim e alfazema usado na defumação no início da gira ainda está no ar.

A abertura dos trabalhos chega ao fim e o médiuns começam a se concentrar para incorporar as entidades que realizarão o atendimento ao público presente.

A batida do tambor ecoa no ambiente e o dirigente do templo canta o ponto de chamada
acompanhado pelos demais participantes da corrente mediúnica.

“Baixou a linha de Congo
É de Congo, é de Congo aruê!
Baixou a linha de Congo
agora que eu quero ver…”


Para isso eles, desde a sua forma de representação, aos seus atos, ações e reações, linguajar e conhecimento buscam incessantemente demonstrar as virtudes essenciais para a nossa caminhada em busca da perfeição de nossos espíritos.

Que possamos, nos consultar sempre com essas valorosas entidades, que escutemos e
sigamos os seus maravilhosos conselhos e principalmente que aprendamos com os seus
exemplos.

*****************************************

No terreiro, todos os consulentes foram atendidos, o preto-velho do dirigente da casa começa a cantar;

“Era noite em toda a senzala,
Preto-velho dormia na prisão,
Mas quando o dia raiou no horizonte,
Preto-velho cantou libertação,
Adeus, adeus cativeiro,
Preto agora só trabalha no terreiro”

Todos os preto-velhos se levantam de seus banquinhos, e se dá início ao processo de
despertar mediúnico dos aparelhos umbandistas.

Mais uma missão cumprida.

Os Magos da Sabedoria, os exemplos de humildade vão para Aruanda.

A Luz do Congo se fez presente em terra.

Fica apenas um sentimento de paz, amor, felicidade e saudade.

Até a próxima Anciões de Luz.

Namastê,

Caio de Omulu

http://umbandasemmisterio.blogspot.com/

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Administrador
Carregar mais em UMBANDA

Deixe uma resposta

Verifique também

SALVE AS CRIANÇAS DA UMBANDA!!!

Nas praias, nas matas, nas montanhas, atravessando o ar, muitas risadas e palmas invisívei…