Início UMBANDA A Umbanda não é Catolicismo, nem Espiritismo!

A Umbanda não é Catolicismo, nem Espiritismo!

15 minuto(s) lendo
5
0
137

Sempre digo que a Umbanda é uma religião que tem como objetivo primordial a evolução espiritual de todos os cidadãos planetários, ensinando a prática do bem do amor e da caridade, e proporcionando o desenvolvimento de uma fé racional, crítica e responsável.

A impressão que se tem, ao se olhar o movimento umbandista, diante da verdade deste discurso, a sua prática está muito distante da teoria. Escutamos muitas vezes, os próprios adeptos reclamarem de situações que contradizem este objetivo, contar histórias que vão de encontro aos ensinamentos pregados e relatar fatos vexatórios (que causam vexame). Por outro lado, existem algumas situações litúrgicas (elementos e práticas do culto religioso), ritualistas (conjunto de ritos da religião) e de posições doutrinárias, que ajudam a distanciar ainda mais o discurso da prática.

Um dos pontos chaves que podemos citar, apenas para ficar no exemplo, é o sincretismo religioso (fusão de diferentes cultos ou doutrinas religiosas, com reinterpretação de seus elementos), que a Umbanda desde o início de sua história oficial vivencia. É indubitável a presença marcante na Umbanda de elementos litúrgicos, ritualistas e doutrinários de outras religiões, oriundos principalmente do Catolicismo e do Espiritismo.

As preces católicas (Pai-Nosso, Ave-Maria, Salve-Rainha e o Credo) servem comumente de abertura e encerramento para as giras umbandistas.

Não existe nada mais absurdo, que em um terreiro de Umbanda se reze, por exemplo a segunda parte do Credo. Como umbandistas podem realizar uma afirmação de crença na Santa Igreja Católica, acreditar na remissão dos pecados e pior ainda, na ressureição da carne?

Por que fazer o sinal da cruz todas as vezes que se passa na frente de uma igreja católica?

Por que um umbandista deve batizar sempre seus filhos, já presenciei defesas ferranhas desta causa, na Igreja Católica, com intuito de se evitar que as crianças se tornem pagãs para o resto de suas vidas?

Qual é o sentido de um filho-de-fé da Umbanda frequentar uma Igreja Católica, ser devoto de um santo católico, participar de novenas, rezar terços, realizar a via-sacra, pagar penitências, acompanhar procissões, realizar, no caso da morte de umbandistas, missa de corpo presente, missa de sétimo dia e utilizar nos trabalhos espirituais, água benzida por padres da igreja, recitar ladainhas e outras tantas coisas mais?

Já ouvi afirmações do tipo: “todo umbandista é católico”. Com argumentos desta natureza é melhor pegar o banquinho do preto-velho, a guia do caboclo e o chapéu do mestre e ir para casa.

Por que nossa visão de mundo espiritual e de doutrina tem que ser a mesma do Espiritismo?

Por que a nossa literatura principal e a mais recomendada é os livros da codificação de Allan Kardec?

Por que nossos terreiros tem que ser centros espíritas e muitas de nossas uniões, associações e federações se denominam espíritas de Umbanda?

Tá, podem dizer alguns, que eu estou generalizando, mas nestes casos específicos, os que não se enquadram no descrito acima são realmente exceções.

Basta perguntarmos, claramente, qual é a nossa religião?

A resposta é Católica? Não! A resposta é Espiritismo? Não, embora que alguns, movidos pela vergonha de se dizerem umbandistas, respondam que são espíritas.

A resposta correta é Umbanda!

A Umbanda, então, é uma mistura de religiões?

É uma religião com crise de identidade?

A resposta continua sendo não e não!

A Umbanda é uma religião plenamente constituída, com doutrina própria, com ritos e liturgias especifícos e originais.

Olha, até compreendo a importância do papel que o sincretismo religioso teve no início e durante boa parte da formação e estruturação da Umbanda. Compreendo até o fato que este sincretismo tenha sobrevivido por tanto tempo. O que não não consigo entender é o por que ele hoje não é a exceção no lugar de ser a regra. Tanto é regra, que vemos umbandistas realizando defesas para perpetuar a sua existência, aprovando o seu uso e adotando tais práticas e costumes como se fossem as coisas mais naturais do mundo.

Volto com a pergunta somos umbandistas, católicos ou espíritas?

O engraçado é que se insiste em ser sincrético, com religiões que nos excluem e pregam uma visão desvirtuada, reducionista e totalmente contrária a nossa. Coisa do demônio e baixo espiritismo é o mínimo, para ficarmos no exemplo. O que deve parecer a estes, é que a Umbanda insiste neste sincretismo para se validar como religião.Temo que eles estejam corretos! Sinceramente, não vejo nenhuma atitude coletiva e espírito de grupo, consciente para tentar mudar esta situação.

Vozes isoladas surgem, mas são tratadas como elitistas, codificadoras, mudancistas e revolucionárias, portanto rechaçadas, excluídas, denegridas e finalmente caladas.

Não se trata de elitizar ou codificar a Umbanda e sim de mostrar ao mundo a originalidade de sua essência, que não necessita de cascas, máscaras, véus, nuvens de mistério e erôs.

A Umbanda jamais será elitista, pois é uma religião planetária e codificada ela já é, pois sua essência possui um padrão único e definido de existência, doutrina, ritos e liturgia.

Somos nós que agregamos e superpomos a esta codificação natural, visões, conceitos, sincretismos, percepções as mais diversas, de acordo com as nossas necessidades, desejos, vontades, capacidade de entendimento e nível de consciência.

Somos nós que preferimos a comodidade das quatro paredes de nossos terreiros, a manter o estado de coisas que já vivenciamos e nos agarramos as conquistas alcançadas, no âmbito da coletividade que nos rodeia, não desejando de forma alguma, qualquer mudança que altere a vidinha que levamos.

Somos nós que preferimos calar a ter que remar contra a maré da estaticidade (o que insiste em ficar estático, parado) que impera na nossa religião e que impõe a todos a necessidade de se manter os direitos de poder e autoridades conquistados, de se defender castelos doutrinários e atacar qualquer inciativa que modifique estas situações.

Somos nós que classificamos terreiros, colorimos bandas e dividimos a religião em segmentos. E pior, em nome dsta auto-divisão que realizamos, ainda brigamos entre si. Tachamos os outros de terreirinhos e catimbozinhos, enxergamos o simples e humilde como pobreza e atraso, realizamos concorrências inconscientes de quem é o melhor, o mais poderoso, o terreiro mais bonito, os filhos-de-santo mais bem fardados e tantas coisas que a lista não caberia aqui.

Esquecemos, que se somos umbandistas no terreiro, antes de mais nada, somos cidadãos planetários e temos por obrigação procurarmos constantemente colaborar com a evolução da Obra Divina em nosso mundo.

A Corrente Astral Superior de Umbanda permite que tudo isto ocorra, porque eles sabem que não existem saltos na evolução espiritual e sim consciências preparadas para absorver um novo estágio consciencial e galgar um novo degrau na escala evolutiva. A nossa consciência é temporal e finita como alma encarnada, já no mundo espiritual tudo é atemporal e infinito. Estas limitações, no entanto, não são impeditivos para que possamos evoluir e buscar a perfeição.

Pacientemente a Umbanda aguarda, que resolvamos criar um espírito de coletividade evolucionista, que cada vez mais, deixemos de lado o superficial e penetremos a essência, saiamos do concreto e devassemos o subjetivo, deixando de pensar no mundo restrito de nossos terreiros e ampliando a nossa consciência para o planeta.

Precisamos lembrar, 24 horas dos nossos dias, que somos umbandistas, que a nossa religião é a Umbanda, caso contrário, melhor sermos honestos e em vez de perder o nosso precioso tempo em um terreiro, irmos para uma Igreja Católica ou frequentarmos um Centro Espírita.

Definitivamente, a Umbanda nunca foi, é e será Catolicismo ou Espiritismo.

CAIO DE OMULU

http://umbandasemmisterio.blogspot.com/

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Administrador
Carregar mais em UMBANDA

5 Comentários

  1. tavares

    13 de janeiro de 2008 en 20:35

    querido caio sou espírita a anos( a milenios)mas o mais importante e que somos irmãos em evolução e buscamos a paz e não vejo diferenças entre aqueles que fazem o bem o bem por se so já é bom temos um programa espírita a 8 anos de 2ª a 6ª feira aqui em natal e ja´entrevistei e entrevisto pastores evangelhicos ,pai de santos,budistas e muitos outros temos um outro programa semanal numa radio de irmãos evangelhicos DEUS é um só o mone que chamamos e que difere querido unamos-nos se nos que já estamos no limiar de acordar para o amor fraternal e universal não consiguimos unir como sera com os outro nossa responsabilidade é maior conto com você nessa união cada um e sua fé vivendo para o bem e bebendo na mesma fonte de amor paz . . .

  2. tavares

    13 de janeiro de 2008 en 20:44

    o homem de bem não precisa de rotulos mas se assim teremos que viver que possamos dizer sou umbandista,catalico,evangelhico,espírita,budista ou qualquer outro ista ( com todo o respeito)
    mas que sejamos o melhor de nos mesmo( que possamos dar o melhor que temos amor amor amor com jesus amou(como base para todos lideres do amor representante de deus aqui na terra)ai sim poderemos dizer com toda as nossa s força do bem eu sou um . . .!paz

  3. Valeria

    6 de fevereiro de 2008 en 22:34

    Olá!
    Entendo a sua indignação, em relação a ñ aceitação e a mistura de credos e religiões dentro do movimento Umbandista.Mas sinceramente, meu irmão de fé,ñ se amofine por isso. Que lindo, que maravilhoso, nossa religião acolhe a todos e não exclui aquele que cultua os santos católicos (que por sinal, acredito eu , devem ser falangeiros de muitos de nossos Orixás), estudam os livros espiritas e por ai vai. Afinal acho que a Umbanda é a precursora do Universalismo religioso.Saravá Umbanda!

  4. Paula

    3 de abril de 2008 en 20:26

    acredito que a Umbanda é sim uma vertente do espiritismo.. o espiritismo de Alan kardec (cardecismo) é mais “direcionado” para a evolução espiritual, a concientização de nossos atos e assim por diante… já a umbanda, além de evolução espiritual, nos protege, nos orienta, nos ajuda enquanto seres humanos.. isso para que não fracassemos em vida. afinal Deus (ou Zambi, como preferir) nos dá a chance de nos redimir perante nossos erros num planeta de prova e espiação que é a Terra, porém enquanto desencarnados temos consciência do que devemos fazer, mas ao encarnarmos, somos tomados por sentimentos humanos e pequenos, tais como a inveja, ódio, e muitos outros, algumas pessoas até cultuam o dinheiro como um “Deus”, dedicando toda sua vida a ele, fazendo sua felicidade depender dele, uns chegam a cometer barbaridades em busca dos bens materiais.. e é pra isso que a umbanda existe, para nos auxiliar em vida, para que não joguemos fora a chance que ganhamos de Deus para nos redimir de nossos atos. umbanda tem fundamento, mas a umbanda é pra quem tem fé, muita fé! e acima de tudo, os orixás só ajudam aqueles que se ajudam, que se enforçam para melhorar. a umbanda tem sim as mesmas bases teóricas que o espiritismo, acreditam em seres desencarnados, diferentes dimensões onde nelas se encontram os espíritos sendo divididos em grau de evolução, acreditam no mesmo Deus superior, acreditam no mesmo Jesus (Oxalá), acreditam ambas que o segredo de nos tornar-mos pessoas melhores é sentir cada vez mais os sentimentos sublimes e divinos: “Paz, caridade, fé e amor”
    muitos sentem vergonha da Umbanda, por tantos deboches, pela completa ignorância das pessoas em relação a nossa religião. e se dizem espíritas, na minha opinião, não deixam de ser..
    certo que, umbanda é diferente do cardecismo, mas ambas são vertentes espíritas sim.

    espero ansiosa pelo dia em que mediuns não mais usem seu Dom Divino em troca de dinheiro, não mais aceitem trabalhar em terreiros que recebem guias que assim como fazem o bem, também prejudicam as pessoas e alguns até fazem o mau.
    só quando esse dia chegar é que as pessoas vão parar de temer a umbanda, e assim, parar de criticar aos sete ventos. é triste, mas infelizmente é compreensível tanto anceio das pessoas… muitas delas não sabem que assim como terreiros e entidades más, também existem terreiros e entidades do bem, da caridade, ou melhor, instrumnetos de amor do Pai Oxalá.

    o que a sociedade precisa é de mais informações a respeito da Umbanda, quando digo que trabalho em terreiro de umbanda, as pessoas ficam estáticas a minha frente e me enchem de perguntas, curiosas em saber como funciona, o que é e o que deixa de ser minha religião..
    sou Cambone a alguns meses apenas, mas tenho imensa fé na nossa umbanda de amor.

    sem mais

  5. Paula

    4 de abril de 2008 en 19:12

    complementando o comentário acima…
    não deixe de ler:
    http://www.caboclopery.com.br/espiritismo_e_umbanda.htm

    concordo em número, gênero e grau!

Deixe uma resposta

Verifique também

SALVE AS CRIANÇAS DA UMBANDA!!!

Nas praias, nas matas, nas montanhas, atravessando o ar, muitas risadas e palmas invisívei…